domingo, 19 de junho de 2011

Ready for those flashing lights.

Desabei. Finalmente saí da inércia e desabei.

O chão também desabou, assim como minha maquiagem e o que restou das minhas roupas.
Sobrou um vazio que espeta.

Não sei bem dizer se foram os olhos inchados que me trouxeram a má visão, mas tudo bem distorcido a minha frente parece morrer devagar. A diferença é que agora não vou junto.

Nasci para sobreviver, mas vou fazer disso uma vida agridoce pensando em um dia de cada vez. O que ficou para trás não esqueço, mas não me modifica o humor. O que ficou para trás ficou mais sutil. O que ficou para trás já não me pertence mais.

Porque eu deixei minha cabeça e meu coração nos palcos.
E é lá que permanecerão.

Isso é permanecer.
Isso é não desistir.
Isso é correr atrás do que se quer.
Isso é lutar.
Isso é ficar.
Isso é gostar.
Isso é se responsabilizar.



Pela primeira vez, o amor faltou.
E não pretende voltar.

Um comentário:

Leti disse...

Adorei os textos, muito bem escritos!